As coisas vulgares que há na vida, não deixam saudades!

As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
Da história da gente
E outras de quem nem o nome
Lembramos ouvir 

São emoções que dão vida
À saudade que trago
Aquelas que tive contigo
E acabei por perder 

Há dias que marcam a alma
E a vida da gente
E aquele em que tu me deixaste
Não posso esquecer 
           
A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera

Ai... meu choro de moça perdida
Gritava à cidade
Que o fogo do amor sob a chuva
Há instantes morrera

A chuva ouviu e calou
Meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade 



Chuva de Mariza

0 comentários :

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.